Quais os impostos que uma empresa deve pagar?

Já empreende ou está pensando em empreender? Uma questão que sempre causa preocupação em proprietários de empresas, sejam elas grandes ou pequenas, é a tributação. Surgem dúvidas como: quais impostos uma empresa deve pagar? Quando? Quanto? Para que cada um deles servem?

Pensando nisso, nós bolamos este artigo para sanar todas as suas dúvidas em relação à tributação de empresas! Confira agora!

Impostos

Simples nacional

Se a sua empresa tem o faturamento anual de até R$ 3.600.000,00, temos uma boa notícia: ela é elegível para o pagamento do Simples Nacional, um pagamento unificado que compreende vários impostos que deveriam ser pagos individualmente: IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, IPI, ICSMS, ISS e INSS.

Ainda que facilite o processo, é indispensável que o empresário tenha conhecimento de cada um desses impostos, a fim de evitar possíveis irregularidades, como pagar a mais ou a menos sem ter consciência disso.

Por isso, além do Simples Nacional, abordaremos também alguns desses impostos, a fim de tirar as dúvidas tanto de quem não precisa pagar esses impostos diretamente, quanto daqueles que possuem faturamento anual maior do que o valor máximo mencionado anteriormente.

O valor do Simples Nacional é determinado com base num percentual de uma alíquota, que varia de acordo com o tipo da atividade e o faturamento dos últimos 12 meses da empresa.

[VEJA, AQUI, DICAS PARA ACABAR COM AS SUAS DÍVIDAS!]

ISS – imposto sobre serviços de qualquer natureza

Trata-se de um imposto Municipal, portanto, o ISS de cada município tem o seu próprio valor, e conhecê-lo é fundamental. Ele tem relação com a Nota Fiscal de Serviço, que deve ser emitida pela prestação de serviço, especialmente por empreendedores digitais.

A União e a Constituição Federal fixaram alíquota mínima de 2% e máxima de 5%, variando, como mencionado, de munícipio para município.

ICMS – imposto sobre circulação de mercadorias e serviços

Trata-se de um imposto Estadual, portanto, de responsabilidade de cada Estado instituí-lo, que, como o nome sugere, é cobrado quando ocorre a circulação de mercadorias entre os estados brasileiros.

Diversos fatores precisam ser considerados no que diz respeito à aplicação e cálculo do ICMS, tais como estado origem-destino, produto, empresa, cliente, etc. Já a porcentagem da alíquota varia entre 7% e 18%, dependendo do Estado.

Impostos

PIS/PASEP – programa de integração social/programa de formação do patrimônio do servidor público

O primeiro é cobrado pela Caixa Econômica Federal e pago aos servidores do setor privado. O segundo, pelo Banco do Brasil aos servidores do setor público. Ambos são pagos mensalmente e calculados com base no faturamento da gestão ou da folha de pagamento.

O objetivo dessas contribuições sociais é o de financiar o pagamento do seguro-desemprego, o abono salarial e a participação na receita dos órgãos e entidades para os trabalhadores públicos e privados.

As exigências para o recebimento de ambos os benefícios são as seguintes:

  • Receber menos de dois salários mínimos;
  • Ter carteira assinada por no mínimo cinco anos;
  • Ter registro em carteira por pelo menos 30 dias consecutivos;
  • Estar informado no RAIS (Relatório Anual de Informações Sociais).

INSS – previdência social

O empregador deve pagar para o Estado um valor, condizente com a função exercida pelo empregado e o tipo de trabalho, a fim de garantir auxílio-acidente, salário-família e maternidade, pensão por morte e aposentadoria por invalidez, idade ou tempo de contribuição ao contratado.

Uma dica é sempre ter um contador, para estar sempre ciente da alíquota a ser paga.

[VEJA TAMBÉM: EMPRÉSTIMO PARA O SEU NEGÓCIO VALE A PENA?]

IPI – imposto sobre produtos industrializados

Esse é um imposto regulamentado pela União, cobrado sobre produtos industriais produzidos em território nacional ou importados. O contribuinte do IPI pode ser o importador, o industrial, o comerciante ou o arrematador.

A alíquota varia de produto para produto. Alguns produtos podem ter isenção de tributação, enquanto outros podem ter alíquota de mais de 300%, como é o caso do cigarro.

A base de cálculo também varia: para vendas em território nacional, a base de cálculo é o preço da venda; já para produtos importados, a base de cálculo é o preço de venda do produto somado do imposto de importação e outras taxas exigidas, tais como frete, seguro, etc.

Impostos

IRPJ – imposto de renda pessoa jurídica

Esse todos conhecem, o famoso Imposto de Renda. As empresas não escapam: devem pagar uma taxa com base no faturamento que tiveram nos últimos 12 meses de atividade. No Simples, a taxa retida na fonte é de 15%.

CSLL – contribuição social sobre o lucro líquido

Trata-se de um tributo federal que incide no lucro líquido do período base, devendo ser pago por pessoas jurídicas, todo dia 15, sendo destinado ao financiamento do INSS.. Sua alíquota mínima é de 9%, podendo chegar até 20%. A base de cálculo é o valor do resultado do exercício.


Recomendados para você:


Ajude a melhor ainda mais o site, avalie:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Leave a Reply